Quem disse que sair de casa é simples?

Assistiu ao vídeo? Você se identificou ou conhece alguém na mesma situação?

Quem disse que morar sozinho ou longe da família é uma escolha simples? Há vários fatores para esta decisão, como por exemplo:

  • A questão do estudo que será em outra cidade ou até mesmo outro estado;
  • O filho irá casar;
  • O filho quer trabalhar mais próximo do emprego;
  • O filho busca uma maior autonomia;
  • O filho fará intercâmbio;
  • Entre outras.

Esta etapa: sair de casa, seguir o seu caminho – faz parte da vida e é muito importante para o desenvolvimento do ser humano. Para os filhos este dia é muito especial, pois eles sentirão uma maior liberdade, independência ou por outros motivos também. Entretanto, alguém os avisou sobre as responsabilidades? De como será o dia a dia na prática? Acredito que o personagem do Marcus Majella (de roupa azul) – no vídeo do Porta dos Fundos – não foi ensinado sobre isto. Assim, observamos o quanto é importante o papel da família em comunicar e explicar aos seus filhos sobre estas responsabilidades.

A confusão que ocorre é que alguns filhos acham que os pais e/ou empregados são os responsáveis por cuidar da casa. Mas este papel precisa ser de todos, por isto a importância em dividir as tarefas domésticas. Quando se contrata um serviço de limpeza – claro que eles têm como compromisso limpar a casa, mas eles estão para auxiliarem – a responsabilidade é do dono da casa em contratar o serviço e há outros detalhes em que nós podemos cuidar.

No início da nova vida, há o momento de adaptação, por exemplo: você começa a perceber que de fato se você não for ao mercado, a geladeira vai ficar vazia. Com isto, a pessoa vai estabelecer uma nova rotina no seu dia a dia. Mas nem sempre isto é fácil. A saudade pode aparecer e o estresse também. São muitos sentimentos envolvidos. E o indivíduo pode pensar: “O que é certo fazer? Em casa aprendi de uma forma. Agora eu acho que é desta. Mas o meu amigo disse isto…”.

São conflitos que surgem e agora a pessoa precisa elaborar e estabelecer o que será melhor para ela. Ela conhecerá um novo jeito de ser, pois na sua casa ela agia de determinada forma e agora morando sozinha ou com outra pessoa, em outro ambiente, ela poderá agir diferente. Assim, como comentei, este momento pode ser muito estressante, pois é algo novo. Pode trazer um grande nível de ansiedade e medos também. Afinal, é um período de grande mudança. Se você está nesta situação ou conhece alguém com este sofrimento não tenha receio em procurar ou indicar ajuda psicológica.

Amanda Fornaciari Augusto – Psicóloga CRP 06/118369

________________________________________________________________

Curtiu este conteúdo?

facebook_like_logo_1

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s